Alckmin diz que mercado é ‘estressado’ e dólar subiu sem razão, mas câmbio deve cair

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente em exercício Geraldo Alckmin (PSB) chamou nesta terça-feira (9) o mercado de “estressado” e disse que o dólar subiu na última sem motivo. Para o vice-presidente, no entanto, a tendência é que o câmbio caia.

A moeda americana chegou a tocar a máxima de R$ 5,70 há uma semana, mas passou a recuar a partir de quinta-feira (5) após sinalizações positivas por parte do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que haveria cortes de gastos. O governo teve de reforçar a posição do presidente de preservação do arcabouço fiscal e anunciou um corte para 2025 de R$ 25,9 bilhões em despesas com benefícios sociais, que passarão por um pente-fino.

“Se olhar o tripé macroeconômico, o câmbio é flutuante. Do mesmo jeito que subiu, ele reduz. Ele tem oscilações e deve ser flutuante mesmo. Acredito que vai cair mais. A tendência é que caia mais. É que o mercado é estressado. Não tem nenhuma razão para ter ido no patamar que foi. A tendência é que ele caia”, afirmou Alckmin.

“O presidente Lula deixou claro: tem o compromisso com arcabouço fiscal e tem o compromisso com déficit zero”, completou.

Alckmin disse ainda ter confiança de que o juros vai cair e que não há razão para a Selic ser a segunda maior taxa básica de juros do mundo. Ele, no entanto, não citou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que tem sido alvo preferencial das queixas de Lula.

O presidente tem assumido a dianteira nas críticas ao BC pela manutenção da taxa em 10,5%. Suas falas se intensificaram nas últimas semanas, o que contribuiu também para disparada do dólar, diante do temor de intervenção na política monetária ou de desrespeito às regras fiscais.

No último dia 2, quando o dólar bateu R$ 5,70, Lula disse que o Banco Central é uma instituição de estado e não pode estar a serviço do sistema financeiro. Ele também voltou a dizer que Campos Neto tem viés ideológico.

“A gente precisa manter o Banco Central funcionando de forma correta, com autonomia, para que seu presidente não fique vulnerável às pressões políticas. Se você é democrata, permite que isso aconteça. Quando é autoritário você resolve fazer com que o mercado se apodere da instituição”, afirmou Lula em entrevista à rádio Sociedade da Bahia. “O Banco Central é uma instituição do estado, não pode estar a serviço do sistema financeiro, do mercado”, disse o presidente.

Como mostrou a Folha, auxiliares do presidente já vinham defendendo moderação em suas falas para evitar um agravamento ainda maior do quado econômico. A alta prolongada do dólar poderia impactar a inflação e afetar as perspectivas de queda da Selic.

MARIANNA HOLANDA / Folhapress

COMPARTILHAR:

Participe do grupo e receba as principais notícias de Campinas e região na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

NOTICIAS RELACIONADAS