Após surpresa da esquerda, Macron mantém premiê no cargo até as Olimpíadas

PARIS, FRANÇA (FOLHAPRESS) – O primeiro-ministro da França, Gabriel Attal, entregou o cargo ao presidente Emmanuel Macron na manhã desta segunda-feira (8). É o que dita o protocolo oficial, após a derrota do governo na véspera, no segundo turno das eleições legislativas.

Macron pediu a Attal que permaneça no cargo até que se defina uma maioria parlamentar. É possível que ele continue até as Olimpíadas de Paris, que começam daqui a duas semanas. Attal, 35, foi premiê por apenas seis meses, o mais jovem da história francesa.

No pleito, nenhum grupo conseguiu a maioria absoluta (289 de 577 cadeiras). O parlamento ficou fatiado em três grandes blocos –esquerda, centro e ultradireita. Por isso, até a tarde desta segunda não se sabia quem seria o novo primeiro-ministro.

A coalizão governista, Juntos, comandada pelo partido de Macron, Renascimento, conseguiu apenas 168 assentos. Antes, tinha 250 deputados.

A Nova Frente Popular (NFP), que reúne partidos de esquerda, extrema-esquerda e ecologistas, obteve 182 cadeiras. A Reunião Nacional (RN), maior partido de ultradireita, e seus aliados ficaram em terceiro lugar, com 143 vagas.

O resultado foi uma surpresa, porque RN e aliados foram os mais votados no primeiro turno, uma semana antes, com 33% do total de votos. A forte mobilização do eleitorado (o comparecimento de 67% foi o maior em quatro décadas) e o apoio recíproco entre candidatos de esquerda e de centro (a chamada “frente republicana”) impediram a vitória da ultradireita.

A frente republicana, porém, ameaçava desfazer-se menos de 24 horas depois da divulgação dos resultados. Membros do partido de Macron, entre eles a atual presidente da Assembleia Nacional, Yaël Braun-Pivet, propuseram uma aliança entre centro, esquerda e direita, mas excluindo o maior partido integrante da NFP, A França Insubmissa (LFI), liderada por Jean-Luc Mélenchon, 72, considerado de extrema-esquerda e acusado de antissemitismo.

Os líderes da NFP –insubmissos, socialistas, ecologistas e comunistas– anunciaram uma reunião no decorrer desta segunda, onde seria discutido um nome de consenso para o cargo de primeiro-ministro. Esse nome seria proposto ao presidente Macron, para que ele faça a nomeação, como dita o artigo 8º da Constituição francesa.

Na manhã desta segunda, um caminhão de mudanças adentrou o Hôtel Matignon, residência e local de trabalho do primeiro-ministro.

ANDRÉ FONTENELLE / Folhapress

COMPARTILHAR:

Participe do grupo e receba as principais notícias de Campinas e região na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

NOTICIAS RELACIONADAS