Polícia prende homem condenado a 23 anos de prisão por latrocínio em Araçatuba

Imagem Ilustrativa

No início da noite de domingo (7), a Polícia Militar de Araçatuba (SP) prendeu Edgar Aparecido da Silva, 35 anos, condenado a 23 anos e 4 meses de prisão pelo crime de latrocínio, roubo seguido de morte. Edgar é filho de Edgar dos Santos Silva, conhecido como Edgarzinho, figura bastante familiar nos meios policiais da região.

O crime pelo qual Edgar Aparecido foi condenado ocorreu em 26 de abril de 2007, em Ilha Solteira, conforme registros da Vara de Execuções Criminais de Araçatuba. Os detalhes da denúncia não foram acessíveis à reportagem devido à natureza física dos processos na época.

Edgar foi preso dois dias após o crime e condenado em primeira instância em novembro de 2007. Após diversos recursos, a sentença transitou em julgado para o Ministério Público em 2012 e para o réu em 2014. Durante sua pena na Penitenciária Compacta de Lavínia III, ele enfrentou sanções disciplinares, incluindo regressão ao regime fechado em 2022.

Em 2023, um pedido de livramento condicional foi avaliado, seguido por exames e laudos necessários, concedendo-lhe o benefício em outubro do mesmo ano, com início em janeiro de 2024. Recentemente, o prazo para o término de sua pena foi alterado devido a mudanças na tabela de feriados, conforme documento de abril de 2024.

A captura de Edgar Aparecido ocorreu na rua Aparecido Romano, no bairro Jussara, após ação policial. Segundo informações obtidas, ele estava em liberdade condicional quando foi detido. Edgar é filho de Edgarzinho, figura também envolvida em crimes de grande repercussão na região, incluindo assaltos a transportadora de valores e acusações de tráfico de drogas.

O caso continua sob investigação para determinar os desdobramentos legais da captura e possíveis implicações adicionais para os envolvidos.

COMPARTILHAR:

Participe do grupo e receba as principais notícias de Campinas e região na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

NOTICIAS RELACIONADAS